“Estar no centro do Brasil, com suas característica rural arquitetada por Niemeyer e por imigrantes de todas as partes e de todas as línguas. É nesse ambiente que se cria a linguagem estética do grupo Triêro. Assumidamente contraditória por estar no interior mesmo estando no centro.  Se apropriar do regionalismo e devolvê-lo contemporâneo, com a naturalidade de quem vivencia, absorve e assimila raízes e urbanidades.  Crônicas atemporais, contos e histórias de um povo estão presentes na música desse pedaço de Brasil com sua profana religiosidade, seu dialeto poético e popular, sua utopia mestiça.” Kleuber Garcêz – compositor, músico e ilustrador.

Anúncios

Triêro e Domá da Conceição no Canto de Ouro

Goiânia Canto de Ouro apresenta, neste domingo (1º), o show de Domá da Conceição e do Grupo Triêro. O evento começa às 20h. O ingresso custa R$ 12, com direito a meia entrada.

As duas atrações levam para o público goianiense a música regional misturada com diversos ritmos. O tradicional e o moderno se fundem e fazem referências às raízes brasileiras.

Domá da Conceição é parte de um processo de recuperação da imagem de um dos tipos humanos regionais brasileiros mais carregados de imagens pejorativas, flagrantemente injustas: o caipira.

Já o gosto pela cultura tradicional e pelos instrumentos, uma mistura de flautas de bambu, atabaques, alfaias e violas, marca o Grupo Triêro. Suas canções apresentam uma grande variedade de ritmos regionais, inspiradas nas andanças pelo cerrado brasileiro.

Serviço
Goiânia Canto de Ouro
Show: Domá da Conceição e Grupo Triêro
Data: domingo (1º)
Horário: 20h
Local: Teatro do Goiânia Ouro
Endereço: Rua 3, esquina da Rua 9, Centro
Fone da bilheteria: 3524-2541
Ingressos: R$ 12,00 (inteira) e R$ 6,00 (meia)

Acampados com a Música

Acampados com a Música

Martha Baptista
Da Reportagem – Diário de Cuiabá

“Triêro Pifado” é o nome do espetáculo de sons que quatro rapazes apresentam neste domingo

Triero em “goianês” é o termo que designa um caminho que vai ficando marcado. Para o público que acompanha o trabalho dos goianos Anthony Brito, Pedro Verano, César Henrique e Diogo Machado, Triêro é o nome de um grupo musical que prima pela originalidade.

Já faz algum tempo que os quatro músicos vêm conquistando uma legião de fás fiel e entusiasmada, com suas apresentações, em que mostram um trabalho autoral e também fazem uma releitura da MPB, com destaque para arranjos de composições de Luiz Gonzaga e Hermeto Pascoal, entre outros autores.

Fundado há sete anos, o Triêro é um grupo nômade por vocação. “A gente costuma dizer que nossa casa é a Kombi”, diz Anthony Brito, em resposta à pergunta sobre onde os músicos moram. O Triêro tem aquela coisa meio circense, de “acampar” por longas temporadas em alguma cidade e lá fazerem seus espetáculos como meio de vida.

Os músicos chegaram há pouco tempo de uma temporada no Estado do Rio. Alugaram uma casa na cidade litorânea de Rio das Ostras, onde se apresentaram num festival de jazz, e de lá saíram para fazer shows em Macaé, Niterói e outras cidades próximas. Agora estão em Cuiabá, onde se apresentam no Teatro do Sesc Arsenal amanhã, e devem ficar por aqui até o início de 2012.

Na próxima sexta-feira (dia 4), o grupo vai tocar forró no bar Choros & Serestas, o Chorinho, que foi sua casa durante um bom tempo. O Triêro foi um dos responsáveis, com suas apresentações nas noites de quintas-feiras, pelo fato do tradicional bar do bairro Jardim Tropical ter caído no gosto da moçada.

BAMBU

A versatilidade dos músicos do Triêro – com idade de 28 a 34 anos – faz com que eles dancem conforme a música. Em outras palavras, não existe apenas um show do Triêro e sim várias versões, inclusive, uma dirigida ao público infantil (“Triêro dos Meninos”). Isso não quer dizer que o grupo não tenha uma personalidade, muito pelo contrário. Eles podem tocar a MPB de barzinho para a galera dançar ou “Trenzinho do Caipira” de Heitor Villa Lobos ou ainda uma composição do próprio grupo, e serão sempre Triêro.

Uma das características mais fortes do grupo é o desenvolvimento de seus próprios instrumentos. O show deste domingo, “Triêro Pifado”, recorda a formação original. “A gente começou a banda com os pífanos (flautas de bambu) e depois fomos introduzindo outros instrumentos”, conta Anthony.

Quem for ao show do Sesc Arsenal terá a oportunidade de ouvir parte do repertório dos três CDs em versão instrumental, com a utilização de flautas, saxofones e outros instrumentos de bambu e/ou feitos a partir de materiais reciclados, como o chinelobu (uma espécie de xilofone) e o garrafofone (também usado para percussão). A propósito, a percussão é outra marca forte do Triêro, que acaba fazendo um som com forte influência nordestina e também da cultura do Centro-Oeste.

“Quando a gente vai para um lugar quer conhecer a música e os músicos locais. Tudo isso interfere no nosso trabalho como compositores, arranjadores e instrumentistas. A gente gosta de rodar mesmo, conhecer o Brasil”, afirma Anthony, que trouxe para o grupo um lado mais circense, herdado da mãe, que tem uma trupe de circo, a Cia Volta Seca. Essa coisa de vestir de palhaço, brincar, tem sido usada com sucesso no espetáculo “Triêro dos Meninos”, apresentado recentemente na Mostra Internacional de Teatro Infantil (Miti), em Cuiabá.

O Triêro é isso: um grupo itinerante, que realmente faz da arte (principalmente a música) um caminho de se viver.

SERVIÇO

O QUE: Show Triêro Pifado

QUANDO: amanhã (domingo), às 20h

ONDE: Teatro do Sesc Arsenal

QUANTO: R$ 15 (inteira), R$ 7,50 (meia) e R$ 5 (comerciários)

MAIS INFORMAÇÕES: 3616-6901

Triêro Pifado – homenagem a Phyllostachys e Bambusa Tuldoides – 30 de outubro

 

Triêo Pifado

dedicado a Phyllostachys e Bambusa Tuldóides 

O show Triêro Pifado é um resgate da formação primeira do grupo Triêro. Elemento fundador do grupo, que surgiu como um trio de pífanos. Nesse show está incluso também outros tipos instrumentos, como a Kena, flauta d’água e outros instrumentos percussivos artesanais de bambu. No repertório estão presentes as canções selecionadas a partir dos dos três Cd´s lançados pelo grupo, rearranjados e adaptados para essa formação.

30 de outubro – domingo – 19h – Teatro do Sesc Arsenal 
Ingresso: R$15,00 inteira R$7,50 Meia R$5,00 Comerciário

No Triêro dos Meninos

Na semana de 19 a 23 (terça a sábado) de julho,
o grupo realizará oficinas de tubos sonoros (flauta pã),
para o Projeto Brincarolar do SESC Arsenal.

Nas oficinas, as crianças fabricarão suas flautas de tubos de bambu
e ainda farão uma iniciação musical. No último dia do projeto, 23 (sábado)
as crianças participam de um cortejo que encerra o projeto
com o show infantil: No Triêro dos Meninos.

O Show construído para o público infantil, que inclui na primeira
parte as canções de domínio popular, como as cantigas de rodas
 tradicionais, as canções de palhaços e as brincadeiras como
“escravos de Jó” e “a barata diz que tem”, “sapo cururu”.
Ainda,no repertório, interpretações das músicas infantis
de Vinícius de Moraes e Toquinho; Canções Curiosas do Palavra Cantada
(Paulo Tatit); Saltimbancos de Chico Buarque; O Grande Circo Místico
de Chico Buarque e Edu Lobo e Adriana Partimpim.